Há uns anos estava no ponto mais baixo da minha existência. Forçado a ter que largar um emprego que me pagava minimamente bem, gradualmente fui descendo em espiral, chegando ao ponto do desespero. Junte-se perdas pessoais e fragilidades nas relações e atingi (quase) o meu limite. Foi mais ou menos por essa altura que decidi sair de Portugal. Pouco antes, escrevi um texto que coloquei nas redes sociais. Um desabafo. De vez em quando gosto de o reler. Para nunca me esquecer. Aqui o deixo, uma vez mais, nesta nova encarnação deste site:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *